3.18.2017

Nada vale a pena se não for verdade

Nem todo sorriso é sincero
Nem todo abraço é de paz
Nem todo olhar quer enxergar
Nem todo passo vai a algum lugar
Nem toda palavra sai pensada
Nem toda lágrima significa tristeza
Nem toda falta é ruim ou toda sobra é boa
Nem toda ironia é sarcasmo
Nem todo silêncio é paz
Nem todo julgamento é injusto ou toda justiça é justa
Nem todo jovem é viril
Nem todo idoso é maduro
Nem toda criança é feliz
Nem todo mundo sente o Sol
Nem todo pé pisa o chão
Nem toda mão ajuda
Nem todo ser que respira vive
Mas, quem vive aprende que nada vale a pena
Se não for verdade.

Fer Perl©

7.18.2014

Não tenha medo

Não tenha medo de amar o amigo
Não tenha medo de amar o irmão
Não tenha medo da liberdade de ser humano
E poder enxergar nos olhos aqueles que são tão frágeis quanto você
Por serem humanos também
Não tenha medo de "desperdiçar" seu tempo em prol de uma palavra amiga
Não tenha medo do que isso poderá lhe causar
Constrangimento, mal entendimento, falta de compreensão
A sinceridade do seu ato justificará você
E o tornará capaz de revirar entulhos altos
Em prol de um canto de luz
Dentro de si e dentro de alguém
Ame o amigo
Ame o irmão
Ame quem puder amar
Não se perde nada bom quando se faz isso.
Fer Perl

9.27.2013

Um senhor e seus amigos

Eu os vejo sempre na mesma pracinha, sua morada. Um senhor, cabelos grisalhos e dois cachorros "vira-latas". O carinho entre eles é nítido e fico pensando como o senhor se comunica com eles, a não ser pelo amor. Da última vez, meu coração ficou apertado com a cena que vi. Um dos cachorros, o pretinho, machucou a pata, provavelmente em algum atropelamento. Estava mancando. O senhor o incentivava a andar e o cachorro, para agradar ao amigo, esforçava-se ao máximo, mancando e andando. Deram a volta na praça. Então, o senhor se sentou e fixou o olhar no cachorrinho que se deitou e recostou a cabeça sobre as patas dianteiras. Ambos estavam tristes. Imaginei o que se passaria naqueles corações. O outro cachorro estava farejando alguma comida pelo chão da praça. De repente, quando voltei a olhar para o senhor, ele estava a conversar com o cachorro machucado. Ele falava como quem falava com uma criança, apontando o dedo, dando uma lição. O cachorro, cabisbaixo, ficava olhando para o senhor pelo canto do olho. Como me comoveu aquilo. Não pude ajudá-lo. Mas, imagino a dor daquele velho homem ainda jovem ao ver seu melhor amigo sofrendo e não poder fazer nada. Não sei se é pecado, mas fiz uma oração pelo cachorro. Pedi a Deus que o curasse daquele machucado. Para que aquele senhor não ficasse mais só do que já é. Sei que Deus me ouviu. Que todos possamos perceber a vida nos recantos por onde passamos. Pois, a vida mesma passa rápido demais e percebê-la nesses "recantos" é como acrescentar mais tempo a ela.

Fernanda P. (Fer Perl)