8.10.2017

Um Homem raiz

Daquele quer traz terrra nas mãos calejadas. Que sorri amarelo e se sente feliz pelo cheiro da terra quando bate a água e vê nascer a planta. Homem, macho por excelência, que sabe do seu dever de ser homem e o é. Que alimenta a cria e beija a esposa, na boca quando chega do trabalho cansado. Não deixa de perguntar a cada filho sobre como anda na escola, mesmo que ele mesmo não tenha ido a uma. Honesto por natureza, simples, guerreiro e corajoso. Homem do interior das terras escondidas. Que reconhece a beleza da simplicidade de uma procissão à Nossa Senhora. E retira o chapéu para entrar na Igreja. Abençoa cada filho e os ensina a rezar antes da refeição ou quando forem dormir. Visita os túmulos dos seus pais e reza uma Ave-Maria sentida pela saudade guardada por anos. Homem que alimenta outros homens, com seu trabalho cansado e, por vezes, desesperado. Imagens assim, deste homem raiz, nos diz muito mais coisas do que uma pintura moderna, em uma sala vazia, de um museu em uma cidade grande qualquer.
(Homenagem ao meu avô, que não foi agricultor, mas foi um homem raiz como este da foto)

Fer Perl©



foto: Web